#MarçodeIgualdade

Março de Igualdade 22 | 31 – Suicídio

22 março, 2016
março-de-igualdade-22---capa-site

A palavra suicídio foi utilizada pela primeira vez por Desfontaines, em 1737 e significa morte intencional auto-inflingida, isto é, quando a pessoa, por desejo de escapar de uma situação de sofrimento intenso, decide tirar sua própria vida.

De acordo com dados atuais da Organização Mundial de Saúde (OMS), cerca de 3.000 pessoas por dia cometem suicídio no mundo, o que significa que a cada 30 segundos uma pessoa se mata. Estima-se que para cada pessoa que consegue se suicidar, 20 ou mais tentam sem sucesso e que a maioria dos mais de 1,1 milhão de suicídios a cada ano poderia ser prevista e evitada.

O suicídio é atualmente uma das três principais causas de morte entre os jovens e adultos de 15 a 34 anos, embora a maioria dos casos aconteça entre pessoas de mais de 60 anos. Ainda conforme informações da OMS, a média de suicídios aumentou 60% nos últimos 50 anos, em particular nos países em desenvolvimento. Cada suicídio ou tentativa provoca uma devastação emocional entre parentes e amigos, causando um impacto que pode perdurar por muitos anos.

Através da observação dos casos de suicídios, pode-se constatar que há certos fatores que estão relacionados a uma maior ou menor probabilidade de cometer o suicídio. Por exemplo, as mulheres tentam o suicídio 4 vezes mais que os homens. O suicídio é a segunda maior causa de morte entre mulheres de 15 a 29 anos na cidade de São Paulo. Em 2014 foram registrados 40 casos de suicídio de mulheres jovens. Esse tipo de morte ficou atrás apenas dos homicídios, que mataram 59 mulheres desta faixa etária.

Os dados são do Programa de Aprimoramento das Informações de Mortalidade (Pro-Aim), da Prefeitura de São Paulo, feitos com base em atestados de óbito, obtidos com exclusividade pelo G1.

O médico psiquiatra do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP) Teng Chei Tung disse que o suicídio “está muito associado a quadros psiquiátricos, como depressão ou uso de drogas. Nas grandes cidades, a mulher tem mais chance de ter depressão, pois o estilo de vida urbano é sobrecarregado. A pressão é muito grande. A mulher tem de cuidar da casa, dos filhos e trabalhar. Isso tudo piora a condição de saúde mental.”

Para o médico, as mulheres costumam dar sinais. “É bem comum as mulheres comentarem que estão deprimidas ou que estão pensando em desistir com pessoas próximas. Isso pode ser um pedido de socorro.”

O psiquiatra José Manoel Bertolote, da Unesp, disse que o suicídio é um tabu não só no Brasil como em outros países. Ele trabalhou por 20 anos na Organização Mundial de Saúde (OMS), e ajudou a montar a cartilha mundial de prevenção ao suicídio.

Segundo ele, 85% das pessoas que cometem suicídio têm transtornos mentais que poderiam receber tratamento. Os mais frequentes são depressão, alcoolismo e esquizofrenia.

O psiquiatra considera que esse tipo de tratamento ainda é muito defasado no Sistema Único de Saúde (SUS). “A saúde mental é muito precária, e esses pacientes com esses casos não têm onde ser atendidos.” Segundo ele, uma consulta nos Centros de Atenção Psicossociais (Caps) demora para ser marcada, e “o tempo do suicida é agora”.

Que possamos estar atentos aos sinais e dispostos à ouvir as Mulheres que estão ao nosso redor, demonstração de afeto e compaixão pode fortalecer essas Mulheres que sentem-se sozinhas e cansadas mentalmente.

 

março-de-igualdade-22

You Might Also Like

No Comments

Leave a Reply