Vivências Fotográficas

Catiusca da Luz Sancha

5 agosto, 2016
DSC_3813

Eu sou mulher, negra e africana.

Meu nome é Catiusca da Luz Sancha, tenho 25 anos e nasci em Cabo Verde. Lá eu morava com meus pais e irmãos, e estudava para ser veterinária. Contudo, conheci um homem por quem me apaixonei e por ele deixei minha família, meus amigos e meu sonho de ser veterinária para vir ao Brasil.

Parti carregando meu maior tesouro, Francisco, meu filho hoje com três anos. Na ocasião, não pensei nos riscos e perigos dessa viagem, era muito sedutor começar uma vida nova com o homem por quem estava apaixonada. Foi aqui em terras brasileiras que entendi que ele apenas buscava o passaporte brasileiro e a liberdade de circular no país livremente. Não era amor, não era paixão, não era o sonho de uma aventura romântica em outro país. Era tudo uma grande mentira.

Quando entendi isso tive que decidir ficar ou voltar para o meu país, pensei na vergonha que isso seria para meus pais. A cultura africana é machista e o retorno de uma mulher mãe solteira é uma condenação social e moral para todos os familiares. Decidi ficar e tentar viver aqui com dignidade.

Atualmente luto para viver trabalhando como diarista, mas meu sonho nos últimos meses é ser modelo. Tenho escutado tanto que sou magra e elegante, que passei a acreditar que isso seja possível. Mesmo após sofrer um acidente e queimar um pouco das minhas pernas, acredito que posso sim trabalhar nessa área.

Inclusive, esse acidente me marcou muito. Eu estava sozinha com meu filho e tive medo por ele e por mim. Mas estou muito melhor e tocando a vida. Gostaria de concluir minha faculdade de veterinária, mas as questões referentes ao diploma de estrangeiros no Brasil ainda não são acessíveis e descomplicadas, dificultando a inserção de profissionais estrangeiros em suas respectivas áreas de formação.

Se me estabilizar aqui no Brasil, penso em voltar a estudar para melhorar minha condição de vida no país. Não sei dizer sobre o meu futuro, apenas que apesar das dificuldades tenho conseguido sobreviver no Brasil, meu filho está na escola e temos um teto para nos abrigar. Tenho bons amigos que tem me ajudado com algumas necessidades, mas sobre o dia de amanhã só posso dizer que está nas mãos do Criador.

 

You Might Also Like

No Comments

Leave a Reply